Aeroporto Santa Genoveva: Homenagem à Iris Rezende desagrada família de Altamiro Pacheco

Aeroporto Santa Genoveva:  Homenagem à Iris Rezende desagrada família de Altamiro Pacheco
Altamiro Pacheco doador do terreno onde foi construído o aeroporto de Goiânia | Foto: Reprodução

O Plenário do Senado aprovou na última terça-feira, 23, o projeto de lei que muda o nome do Aeroporto Internacional de Goiânia – Santa Genoveva para Aeroporto Internacional de Goiânia – Íris Rezende Machado (PL 3.999/2021). A matéria ainda será analisada na Câmara dos Deputados. Entretanto a família de Altamiro de Moura Pacheco, doador da área onde foi construído o terminal aeroviário, se diz surpresa com a proposta.

O motivo da surpresa é que o nome de Santa Genoveva, dada ao aeroporto de Goiânia, é uma homenagem a mãe de Altamiro de Moura Pacheco. Em uma carta divulgada pela família e assinada por uma sobrinha de Altamiro, diz que concorda com as homenagens a Iris Rezende, mas que para isso não há necessidade de “desomenagear” o doador da área que o aeroporto foi construído.

Altamiro Pacheco quando doou a área para construir o novo aeroporto de Goiânia, fez exigências de que no local fosse construído um aeroporto internacional e que a ele fosse dado o nome de sua mãe – Dona Genoveva.

“Iris Rezende foi um político que engrandeceu nossa Goiânia, Goiás e o Brasil. Mas ele, se aqui estivesse, jamais permitiria que alguém fizesse uma desfeita desse porte com a memória do Dr. Altamiro”, diz um trecho do texto.

Leia a carta divulgada pela família de Altamiro de Moura Pacheco

A família do Dr. Altamiro de Moura Pacheco recebeu com perplexidade e preocupação a notícia da existência de um movimento no sentido de alterar o nome do Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia. Esse nome é tradicional e tem uma razão de ser. A área onde foi construído o aeroporto foi , num gesto de amor a Goiânia, doada ao estado pelo saudoso Tio Altamiro para que, naquele local, fosse construído o novo aeroporto de nossa capital.

Na época, ele colocou apenas duas condições: que a área somente poderia ser destinada à atividade aeroportuária e que o novo aeroporto se chamasse Aeroporto Santa Genoveva. Essa exigência do nome era para que ele pudesse homenagear sua querida mãe, Dona Genoveva. As condições foram aceitas, a área doada e o aeroporto construído.

Goiânia, uma cidade jovem, está desprezando sua história e a memória de quem ajudou a construi-la. Nós, goianos, jamais construiremos uma bela história se não preservarmos o legado de quem, em cada época, contribuiu para a construção de nosso Estado.

Iris Rezende foi um político que engrandeceu nossa Goiânia, Goiás e o Brasil. Mas ele, se aqui estivesse, jamais permitiria que alguém fizesse uma desfeita desse porte com a memória do Dr. Altamiro. Aliás, Iris tinha imensa gratidão ao Tio Altamiro, porque foi ele que, num gesto de desprendimento e compromisso com o futuro de Goiânia, cedeu, por um valor simbólico, que não representava 1/10 (um décimo) do valor de mercado, sua fazenda de 1.000 alqueires, dentro de Goiânia , da qual a área do aeroporto Santa Genoveva fazia parte, para que servisse de reserva ecológica e ambiental de nossa Capital.

Nessa área, que hoje é um parque ecológico, foi possível a construção, pelo governador Marconi Perillo, da barragem do Ribeirão João Leite e do Sistema Produtor Governador Mauro Borges, que garantirá o fornecimento de água para a região metropolitana de Goiânia por mais 30 anos.

Se não tivesse espírito público e não atendesse ao apelo de Iris, que vale ressaltar, teve a visão de pensar no futuro das próximas gerações ao transformar essa área em um parque ecológico e pulmão de Goiânia, Tio Altamiro poderia muito bem ter cedido às enormes pressões e propostas milionárias para fracionar a fazenda e ali implantar vários empreendimentos imobiliários. Mas não o fez pelo seu amor a Goiânia e pelo apelo de Iris.

Portanto, não é justo “desomenagear” um homem da importância do Dr. Altamiro para homenagear outra figura importante de nosso Estado. Iris merece todas as homenagens, mas os políticos goianos precisam se atentar para o fato de que uma homenagem não pode desmerecer outra pessoa e sua família.

Temos assistido, com certa frequência, tentativas afobadas de homenagens sempre que há o falecimento de alguém relevante em Goiás. Iris, com certeza, será homenageado em um local em que não precise alterar nenhum nome já existente.

Nosso Aeroporto Santa Genoveva é conhecido por esse nome em todo país. Não podemos permitir que a memória de nossos antepassados seja desconsiderada pelas novas gerações. Temos certeza de que o responsável pela proposição dessa homenagem não tinha conhecimento da verdadeira história do Aeroporto Santa Genoveva.

Por essa razão, apelamos ao ilustre senador Luis do Carmo propositor da homenagem , bem como ao Senador Vanderlan Cardoso , relator do projeto, que em memória do Tio Altamiro, reflua dessa intenção de alterar o nome do nosso aeroporto. A família de Iris como a família do Senador Luiz do Carmo com certeza, não ficariam felizes se, daqui a alguns anos, alguém mudasse o nome de um local público que tivesse o nome do senador autor da proposta, ou do nosso querido ex-prefeito e ex-governador Iris Resende .

Fica aqui nosso apelo público para que respeitemos a memória de quem foi homenageado ao longo de nossa história. Desde já, agradeço a compreensão dos senadores Luiz do Carmo e Vanderlan Cardoso e da família do inesquecível Iris Rezende, um dos maiores políticos de nossa história.

Com certeza encontraremos um belo local para fazer a justa homenagem que Iris merece.

Goiânia, 24 de novembro de 2021 Juliana Pacheco – Sobrinha do Dr Altamiro de Moura Pacheco

 

História de Altamiro

Nascido em Bela Vista em 1896, Altamiro Pacheco se formou em Farmácia na cidade de Goiás e depois se formou em Medicina na antiga Faculdade de Medicina Fluminense, em Niterói. Apesar de seu nome não constar nos registros oficiais, historiadores afirmam que foi ele o responsável por conversar com Juscelino Kubitschek e conseguir a assinatura para a instalação da Faculdade de Medicina em Goiânia. 

No campo da pecuária, além de ser o criador da Sociedade Goiana de Agricultura e Pecuária (SGPA), Pacheco ajudou a melhorar a qualidade do rebanho: ele criava gado de qualidade e vendia matrizes a outros fazendeiros para promover a evolução genética dos animais. Mas, diferente de muitos produtores rurais, em sua grande propriedade, comprada ainda em 1938, nas cercanias da então nova Capital, o médico reservou 70% da área para preservação. Essa vasta extensão de mata preservada deu origem, décadas depois, ao Parque Ecológico de Goiânia, que também leva o nome de Altamiro Moura Pacheco. Homenagem mais que justa. 

O Aeroporto de Goiânia Santa Genoveva e o bairro homônimo da região Norte da cidade também estão ligados ao personagem, já que foi ele quem doou as terras para a construção, tanto do loteamento quanto do campo de aviação. Em troca da doação dos terrenos, ele pediu apenas que fosse dado o nome da mãe, por quem nutria uma grande admiração, aos novos investimentos.  

No campo da política, Altamiro de Moura também teve uma atuação importante e fundamental para a mudança da capital federal para o Centro-Oeste do Brasil. Ele foi o homem incumbido pelo então governador, Juca Ludovico, para presidir a Comissão de Cooperação para Mudança da Capital Federal. Altamiro foi o responsável pela desapropriação de terras onde foi construído o novo Distrito Federal.

 

Fonte Jornal Opção