Pesquisador postula que Mendanha vive numa “bolha”, sem entender que está muito mal no interior

Pesquisador postula que Mendanha vive numa “bolha”, sem entender que está muito mal no interior
Imagem divulgaçao

Na semana passada, um repórter do Jornal  Opção (de Goiânia) conversou com um pesquisador (que optou por não revelar seu nome, argumentando: “Faço pesquisa para vários políticos”) a respeito da disputa eleitoral em Goiás. Ele afirma que as pesquisas que fez, recentemente, têm revelado um quadro positivo — “extremamente positivo” — para o governador Ronaldo Caiado (DEM) e “altamente preocupante” para o prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha (sem partido).

“Mendanha vive numa bolha, quer dizer, entre Aparecida de Goiânia e Goiânia. Na verdade, na Grande Goiânia, Ronaldo Caiado lidera, mas, de fato, o prefeito tem alguma força. Ele sabe, porém, que no interior praticamente inexiste. Pesquisamos cidades visitadas por ele, recentemente, e o quadro é desolador. Em Mineiros, onde diz ter conseguido importante apoio, Mendanha tem 5% e Ronaldo Caiado tem 48%”, afirma o pesquisador.

Em Luziânia, Caiado aparece com 52% e Mendanha tem 4%. Em Jataí, o governador tem 49% e o prefeito aparece com 6%. “Não é um quadro alentador para Mendanha. Pelo contrário, é desanimador.”

Ronaldo Caiado, governador de Goiás, e Gustavo Mendanha, prefeito de Aparecida de Goiânia: rivais na disputa eleitoral de 2022 | Foto: Reprodução

O pesquisador frisa que há um detalhe que deveria “assustar” Mendanha: “Iris Rezende, mesmo bem votado em Goiânia, perdeu três eleições para governador, em 1998, 2010 e 2014. Há também o fato de que o prefeito não é um político ‘de’ Goiânia, sua força está mais concentrada em Aparecida. É como eu disse: trata-se de uma ‘bolha’ e estão ‘enganando’ o Gustavo. Os que dizem que é ‘forte’ e que está ‘crescendo’ não estão lhe mostrando dados reais. É possível que esteja sendo iludido pela turma do ex-governador Marconi Perillo, um político astuto e que só pensa em seu próprio projeto. O quadro real, de todo o Estado, é desolador para ele. Na disputa, pode ter 30% dos votos? Até pode. Mas a tendência é que seja derrotado no primeiro turno, num verdadeiro massacre eleitoral. Ele só vai perceber o quadro real no dia 2 de outubro de 2022, quando sai o resultado da eleição. Mas faço uma ressalva: estou analisando o futuro a partir do quadro de hoje”.

As pesquisas começam a mostrar que a conexão de Gustavo com Marconi Perillo é altamente prejudicial para o primeiro. Os eleitores começam a dizer quer dar o governo a Mendanha é o mesmo que entregar o poder a Marconi

O pesquisador frisa que, a partir de abril de 2022, Mendanha deixará a prefeitura, enquanto Ronaldo Caiado continuará no governo do Estado. “O governador terá o que mostrar, como as pavimentações asfálticas ruas das cidades do interior, os programas sociais ampliados, as reformas de casas, o setor de saúde azeitado. Gustavo, pelo contrário, estará fora da prefeitura, e terá de falar mais do passado do que do presente.”

“Há três aspectos que eu quero abordar. Primeiro, governo só perde eleição quando é mal avaliado. Governo bem avaliado, como o de Ronaldo Caiado, dificilmente perde eleição. Segundo, não há ‘sentimento de mudança” em Goiás. Em 1998, porque o MDB estava no poder havia 16 anos, havia sentimento de mudança. Agora, o que se percebe, nas pesquisas, é que os eleitores querem dar mais um mandato a Ronaldo Caiado, considerando que faz um governo decente, sem escândalos, e preocupado com as pessoas. No combate à pandemia, ele foi e continua bem avaliado. Terceiro, as pesquisas começam a mostrar que a conexão de Gustavo com Marconi Perillo é altamente prejudicial para o primeiro. Os eleitores começam a dizer quer dar o governo a Mendanha é o mesmo que entregar o poder a Marconi. Como se sabe, o PSDB, com Marconi, ficou 20 anos no poder. Com Gustavo, se este for eleito, o grupo ficaria 24 anos no poder — mais do que a ditadura militar, que ficou 21 anos no poder”, analisa o pesquisador.

 Fonte Jornal Opção