Russos atacam, mas fotógrafo não arreda pé e protege abrigo com 400 animais

Russos atacam, mas fotógrafo não arreda pé e protege abrigo com 400 animais
imagem divulgaçao

Por que o ser humano é mais importante do que os demais seres que vivem na Terra? Não é, claro. Mas criou uma espécie de “teoria” — “fala”, “tem cultura” — que garante que é. Naturalizada, é repetida como um mantra, como se fosse uma verdade irretorquível. Na verdade, os seres humanos “derrotaram” Deus — ou deuses — e se tornaram, eles mesmos, deuses. Assim, têm direito sobre a vida e a morte dos demais animais — procedendo a uma destruição em massa, da qual poucos discordam. Porque, sendo o homem “inteligente” e ser mais “importante” (o centro do universo), não há do que discordar. O filósofo britânico John Gray tem mostrado, em vários ensaios, que a construção de que o ser humano é mais importante — até do Deus (ou deuses) que supostamente o criou — é histórica, ou seja, tem um início, e não é muito antiga. Ou seja, tornou-se um fato incontestável, porque os demais animais, por não terem fala, não pode apresentar sua contraposição. Resta a alguns filósofos e cientistas apresentaram a verdade: os seres têm sua relevância na Terra.

Andrea Cistenino: fotógrafo italiano que mora na Ucrânia | Foto: Reprodução

O fotógrafo de moda Andrea Cistenino, que fez sucesso na Itália, casou-se com uma ucraniana e vive na Ucrânia há 13 anos. Praticamente se tornou ucraniano na terra de Nikolai Gógol, autor de “O Inspetor Geral” e “Almas Mortas”, e Mikhail Bulgákov, autor de “O Mestre e Margarida”. Nas proximidades de Kiev, a capital da Ucrânia, Andrea construiu um abrigo para animais abandonados, como cachorros, gatos, ovelhas, porcos e cabras. Com o governo da Rússia — leia-se Vladimir Putin, um ex-espião do KGB — bombardeando Kiev, tanto Andrea quanto os animais correm grande perigo. Tentaram convencer o fotógrafo a deixar o país, mas ele se recusa. Não por ele, e sim pelos animais. “Vou morrer aqui pelos meus animais. Tenho que pensar em salvar esse refúgio. São 400 hóspedes, que merecem ser protegidos a qualquer custo”, escreveu Andrea no Facebook.

A força área russa está atacando perto do abrigo, mas Andrea resiste, e não arreda pé, como se fosse um guerreiro do estilo de Ulisses, da Odisseia, amigo do cachorro Argos.

A mulher de Andrea, Anna Raimondi, foi convidada a se abrigar na embaixada italiana, em Kiev. Irredutível, Andrea preferiu ficar com seus animais. O embaixador italiano, ante a coragem e o descortino do compatriota, disse: “Vamos lá, Andrea, estamos todos pensando em você”. Se não fosse démodé, talvez fosse o caso de dizer que o fotógrafo é um varão de Plutarco em pleno século 21. Putin, o apóstolo da destruição, deveria mirar no exemplo deste italiano que se tornou ucraniano e ama seu novo país e os animais que nele habitam.

 

Fonte: Jornal Opçao